Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DESIGN E OUTROS DESVARIOS

THERE ARE 360º, SO WHY STICK TO ONE? - ZAHA HADID

DESIGN E OUTROS DESVARIOS

THERE ARE 360º, SO WHY STICK TO ONE? - ZAHA HADID

17
Ago18

A minha inspiração para os próximos tempos

Ludovica-and-Puglia_05.jpg

 

Ainda há pouco tempo comentei por aqui que recentemente mudei de casa. Ontem, enquanto planeava as minhas férias - aquelas que terão início em dois dias - dizia que, pelo facto de viver num apartamento do tamanho de uma suite, já me sentia, de certo modo, em férias. Claro que esta minha afirmação foi irónica, já que os meus olhos necessitam de descanso urgente deste monitor! Até porque me esqueço frequentemente das pausas, e quando me apercebo, três horas se passaram com os olhos concentrados no mesmo ponto...e as minhas lentes de contacto ameaçam uma alteração de graduação, que eu quero evitar a todo o custo! Bom, as férias deste ano não terão grandes aventuras, já que ano de mudanças e de mais despesas implicam férias mais contidas (e já tive uma semana em Colónia em Abril), mas o simples facto de sair da rotina já vai saber muito bem! Do pouco que já planeei, um dia - pelo menos - vai ser dedicado a compras para o espaço novo, que ainda está em modo work in progress! E a paleta cromática está neste momento em apontamentos de verde azeitona, rosa velho e....muito bege! Nude, nude, nude! Tal como dita a tendência da moda, os tons nude vieram para ficar... e em minha casa não serão exceção! 

 

 

 

16
Jul18

FALL OR FLY?

Quem já segue este blog há algum tempo, concerteza reparou que as publicações nestes últimos tempos tem sido escassas e mais espaçadas no tempo. Ultimamente vejo-me a suspirar por ter um botão do tempo que pudesse congelar tudo, para que eu pudesse concretizar todas as minhas tarefas tranquilamente, antes de voltar a pulsar o play, para que o resto do mundo voltasse a fluir com normalidade. Houveram mudanças que me roubaram o tempo: mais concretamente, a mudança de casa, para um pequeníssimo mas acolhedor apartamento no centro da cidade. Uma mudança que me está a inspirar para, de um modo mais efusivo, dar prioridade a "pouco, mas bom". Até porque muito não caberia dentro da suite, como chamo eu, carinhosamente, ao meu novo lar.

 

 

 

22
Fev18

Um episódio no meu caminho da auto-superação

Robin Sharma é um escritor e orador motivacional que escreve sobre temas como liderança e desenvolvimento pessoal. Esses temas sempre foram interessantes para mim. Agora, que trabalho por conta própria, estou ainda mais atenta a essas questões e procuro ir implementando, pouco a pouco, hábitos e comportamentos que ajudam a melhorar o meu desempenho. O meu objetivo, e isto confesso desde a minha consciência que sempre terei aspetos passíveis de ser melhorados, é ser a melhor versão de mim mesma, especialmente a nível profissional. Ainda não me juntei ao "clube das 5 horas", e muito teria de lutar para conseguir sair da cama ás 5 horas da madrugada (!!!), mas sim, a pouco e pouco vou adaptando algumas ideias e assumindo algumas atitudes, nesta caminhada que sempre será incompleta.

 

O primeiro contacto que tive com o trabalho deste autor foi através do livro "O Monge que vendeu o seu Ferrari", livro esse que adquiri numa daquelas compras por impulso numa livraria de Valência. E foi uma revelação! Recordo-me de ter feito apontamentos, e esquematizado os princípios práticos que lá vinham plasmados. São aspetos muito simples, como a prática diária de meditação, ou o saber dizer não e respeitar o próprio tempo, mas que praticados com regularidade são muito eficazes (eu não cumpro todos os princípios diariamente...ainda!).

Hoje em dia, sigo o seu canal de YouTube e vou ouvindo as suas lições. Na semana passada, e inspirada nesta caminhada para a genialidade, decidi reduzir as inúmeras decisões com pouca importância, que se tomam diariamente, de modo a que o cérebro fique livre para se concentrar nas questões realmente importantes. A intenção era boa e eu estava motivada!

 

Logo no primeiro dia, tive de ir a Braga e passar lá a hora do almoço, pelo que fui ao Braga Parque, ao WokToWalk que adoro e muito orgulhosa de mim mesma decidi - ao invés de criar uma das minhas combinações improváveis - escolher diretamente a primeira das sugestões deles. Estava algo orgulhosa de mim mesma. E correu mais ou menos assim: 

 

     Eu: Bom dia. Queria um Best Seller, por favor!

     O senhor do WTW: E o molho, mantém o mesmo?

     Eu: sim....

     O senhor do WTW: e quer acrescentar algum topping?

     Eu: pode ser caju (hum, já não está a correr tão bem)

     O senhor do WTW: e para beber? vai querer algo?

     Eu: água, por favor (aie......)

     O senhor do WTW: fresca ou natural?

     Eu: natural...

     Ele: e prefere pauzinhos ou talheres?

     Eu: talheres (sou uma fraude)

 

Quando depois fui tomar café: café curto, normal ou cheio? em chávena fria ou escaldada? com açúcar ou adoçante?

 

Estive quase para abandonar!!!!! Mas recordei que "a força de vontade é como um músculo que tem de ser treinado" e decidi não desistir em menos de vinte e quatro horas!

 

Já repararam quantas decisões tomamos por dia? É incrível!

 

Enquanto escrevia este episódio lembrei-me também de um outro recheado de questões: na minha primeira viagem a Milão, num fim de semana de amigas, estava eu com o meu livrinho Guia de Conversação Espanhol-Italiano (a ensaiar a frase) na fila do comboio, e quando chegou a nossa vez, digo eu muito confiante (e já com o livro no bolso): dois bilhetes de ida e volta para o Lago do Cuomo, por favor (em italiano, pois). E logo em seguida ouvi: ida e volta para o mesmo dia? E querem ir já ou só no seguinte? E a volta, é no último comboio do dia? Ou preferem passe para dois dias? ......un momento per favore dizia eu enquanto tirava atabalhoadamente o livrinho do bolso e o folheava desesperada...isto acontece-me pela vontade de aprender um idioma em dois dias! Foi memorável essa viagem, não só por esse episódio mas também porque perdemos o avião de regresso devido a uma avaria de última hora do comboio e o regional deixou-nos nume terra na qual só haviam autocarros para o aeroporto de hora a hora...pelo que chegamos um minuto tarde....e tivémos de comprar novos bilhetes, para Alicante (já não haviam mais voos para Valência naquele dia). Chegadas a Alicante, cinco horas depois, o autocarro que nos levaria ao centro da cidade avariou e tivemos mais uma hora de espera numa paragem que tinha um cartaz a dizer "el bus, la mejor opción". Devido à hora tardia de chegada ao centro de Alicante, saímos do autocarro na base da Avenida principal da cidade e subir o íngreme (muito íngreme) trajeto, com as malas, a alta velocidade, até chegar à estação de comboios de Alicante para comprar dois bilhetes para Valência...e ouvimos um: o último comboio sai em dois minutos, não sei se chegam a tempo, a linha é a última. Voamos, literalmente, por aquela estação! Uma viagem destas por mês, no gym needed!!!

 

 

 

Se tiverem curiosidade, este é o canal de youtube de Robin Sharma

 

:)

 

05
Fev18

Simbiose

Blue_house_01.jpg

 

Foi enquanto me distraía com o scroll no blog da Victoria Smith que de repente me deparei com estes interiores. O primeiro pensamento: este seria o resultado de um trabalho conjunto entre o meu pai e eu! O meu pai é restaurador de móveis, antiquário e tem um conhecimento incrível da história do mobiliário. Eu, sou arquiteta e designer de interiores. Temos abordagens muito distintas para com os espaços. Ele cuida, mantém e valoriza aquilo que já se fez de bom. Eu sou contemporânea. Ele não percebe o meu gosto por certo tipo de arte (falem-lhe de Rothko e vejam como continua incrédulo com o meu fascínio pela sua obra). Eu penso que ele tem tendência para o excesso. Mas também um extremo bom gosto. Estes espaços seriam resultado de trabalho dele de recuperação e restauração. E depois eu entraria a eliminar o supérfulo. E ele viria repor uma ou outra coisita das muitas que eu havia subtraído, quando me notasse distraída! Um dos meus posts mais rápidos: vi as imagens, pensei no meu pai, senti um calorzinho no coração (sim, sou lamechas, mas esta é a verdade)!

 

Por isso: imagens para o blog!

 

 

 

29
Jan18

MUJI Hotel

MUJI_Hotel_01.jpg

  

Remonta do ano de 2010 o meu amor pelos produtos da MUJI. Nessa altura tinha entrado para uma nova empresa lá em Valência, e todos os meus colegas - que grande parte se transformou em amigos, saindo de lá alguns dos meus "amigos para a vida" - tinham esferográficas da MUJI. Para começar. Depois haviam aqueles que eram assumidamente fans da marca e também usavam os seus cadernos e agendas. E ainda haviam os meus patrões, que só usavam artigos MUJI para as suas viagens, desde malas a acessórios. Naquela altura não havia nenhuma loja física em Valência e recordo-me da emoção quando, dois anos depois fomos de fim de semana a Bolonha e percebemos que o nosso hotel estava mesmo em frente a uma loja desta marca! Foi o êxtase! Nota: esse fim de semana estava destinado ao Porto, mas quando percebemos que o grupo era constituído por mais de 25% dos recursos humanos daquela empresa, achamos por bem escolhar um destino cujo voo não nos obrigasse a pedir uma hora antecipada no horário de saída. E a sexta-feira tinha um horário de saída as 15:00, o que não era nada mau!

 

 

 

25
Jan18

Tape

Tapo_04.jpg

 

Eu tive um hamster chamado Tadao Ando. E chamava-se assim simplesmente porque o arquiteto Tadao Ando tinha um cão de nome Corbusier. Enfim, coisas de arquitetos. Ora, o meu hamster, apesar de ser tão pequenino que passava por entre as grades, tinha - apenas para dormir e pouco mais, que ele gostava muito de passear - uma casinha muito bonita, com mezzanine e pé-direito duplo, e uma série de tubos coloridos que lhe permitiam sair da casa num certo ponto e entrar pelo lado oposto. Sempre tive vontade de andar num sistema de tubos assim. 

 

 

 

30
Nov17

Villa del Conte

Villa_del_Conte-montagem.jpg

 

Quis o destino que no meu caminho surgisse uma nova e agradável experiência num novo e agradável espaço, de nome Villa del Conte.

 

Este restaurante italiano está localizado em Vila do Conde, e só a combinação de "comida italiana" com "cidade à beira mar plantada" já é um indício, para mim, de uma experiência interessante. E deliciosa. 

 

O espaço encontra-se num edifício antigo, que conserva visível a sua alvenaria de pedra e a conjuga com materiais quentes e confortáveis. Soalho e mobiliário de madeira, iluminação com baixa temperatura de cor (luz quente), e texturas: tecido nas cadeiras, lambrim e mobiliário composto por lamas verticais de madeira pintada. Ocres e castanhos, quentes, a contrastar com o branco e os tons pastel, azul e rosa-acinzentado. Uma combinação aconchegante, criada pelo proprietário do espaço em sinergia com uma arquiteta amiga.

 

 

 

13
Nov17

Olá de novo!

Blog-Outubro.jpg

 

 

Nos últimos meses o meu foco foi exclusivamente orientado para o desenvolvimento do meu trabalho. Bem sei que este blog está de certa forma ligado à minha atividade, uma vez que aqui partilho os meus interesses. E os meus interesses são, invevitavelmente, ligados ao meu trabalho. Arquitetura, design de interiores, design de iluminação...arte...viagens...estilo de vida... Mas abrir uma atividade por conta própria nunca é um passeio na praia. É começar do zero, dar-se a conhecer, dar a conhecer a qualidade do trabalho, angariar clientes, provar que fizeram bem em confiar em mim...querer ser sempre melhor e prestar o melhor serviço. É estar lá de corpo e alma.

 

 

05
Mai17

Pink

pink.jpg

 

Nunca fui menina de cor de rosa. Quando nasci, a minha mãe – que muito preocupada perguntava se “o menino não chorava”, apenas porque eu vim ao mundo, espirrei para desbloquear as vias respiratórias e lá fiquei muito satisfeita e tranquila – vestia-me sempre de azul. Recusou-se, durante toda a gravidez, admitir que teria uma menina e comprou a roupinha toda em azul. Não a condeno, sempre tive a ideia de que, quando e se fosse mãe, preferia ter um menino, talvez por me parecerem mais descomplicados.

 

 

 

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Follow